quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Principais motivos para parar de ler notícias: veja aqui!

A vida é curta, mas os livros são longos. Há tanta informação lá fora, mas tão pouco tempo para consumi-la, principalmente em site com informações sobre Matrículas e Inscrições. Nosso mundo saturado de informações exige que tenhamos uma estratégia de como escolher o que ler.

Portanto, aqui está uma regra básica fácil, mesmo negativa, para começar: Evite as notícias.

O objetivo de aprender é ganhar algo útil - uma informação ou uma ideia que trará valor à sua vida, algo que ficará com você. As notícias são projetadas para fazer o contrário.

Notícias, por definição, são informações que são relevantes para um evento que está acontecendo agora. Ela não promete se o mesmo evento será relevante para algo que acontecerá amanhã. As notícias devem ser oportunas.


E isso é o que significa oportuno: pertinente ao momento - este, e não necessariamente o próximo.

As pessoas dirão: "Mas como devemos saber sobre eventos importantes que acontecem no mundo?". Afinal de contas, é isso que significa estar bem informado, certo? Não é bem assim. Depende do que se quer estar bem informado. E é melhor se informar sobre algo que dure uma vida inteira em vez de uma semana.

Veja aqui quais são os setores que mais vão empregar no Brasil! 

Se você quer estar bem informado, consuma a história, não as notícias. 

Estamos lidando hoje com as consequências de ontem. E quando olhamos para a história, temos pelo menos uma chance de encontrar as consequências. Será que as notícias de hoje acabarão nos livros de história de amanhã? É possível. Mas provavelmente não.

A razão para isso é estatística. Quase todos os eventos serão inconseqüentes. Muito poucas coisas que acontecerão hoje terão realmente terá repercussões no futuro. 

Em linguagem estatística, isto significa que os eventos são distribuídos exponencialmente com respeito a suas consequências. 

Portanto, se você quiser saber se o evento que você está observando agora será consequente no futuro, a resposta, do ponto de vista das probabilidades, é que não será.

Por exemplo, o que se aprende sobre Donald Trump assistindo às notícias? A mídia retrata o Bolsonaro de forma negativa. Assim, o que se aprende sobre Trump tende a ser sobre seus últimos e maiores pecados. O problema com estas informações é que elas não são nem informativas nem acionáveis.

Não é informativa porque na verdade não muda a maneira como você pensa sobre a situação. Se você é a favor de Bolsonaro, isso não vai dissuadi-lo. Se você for contra o Bolsonaro, não o considerará inferior. 

É apenas falar sobre o que você já sabe, sob um disfarce diferente. Você conhece fatos novos, mas nada que influencie sua posição sobre um assunto. E esta informação não é passível de ação porque, uma vez que você a tenha aprendido, não há nada que possa fazer a respeito. Se o presidente faz algo que você não gosta, você não tem nenhum recurso contra isso. Você pode votar contra ele em quatro anos, mas você vai fazer isso de qualquer maneira. Você pode levar à mídia social para falar contra ele, que é a estratégia empregada pela maioria das pessoas. De qualquer forma, a informação não inspirou nem novos pensamentos nem novas ações.





Nenhum comentário:

Postar um comentário